ascensão

Poderia eu ser a piada deste bar

cigarro amassado, olhar de São Bernardo

ela foi me deixando, assim, devagar…

E por mais que gritasse, não houve frase de Caio Fernando Abreu que a fizesse retornar

carregando o seu nome, disparei balas de intenções

nas praias geladas sem brilho

os meus, os nossos

pés,

encontram-se frios

ainda trago três marias tatuadas no meu ombro, lembra-se?

quando tu voltar, irei te agradecer em beijos com relógios parados

*

em meu país de origem conheci o amor: apertei suas pequenas mãos

você não ainda não a tirou do pensamento –

disse a negra em meio a velas de encantamentos

por novas ruas, em velhas curvas,

queimando cigarros na beira da janela – como é sentir saudade do que nunca foi seu?

durante várias vidas, e quando o Sol secar daqui a bilhões anos, ao fim dos meus dias – como Borges

minha mão traçará versos sobre o esquecimento,

e quando eu achar a minha paz

irei dar o melhor de mim a você até o final dos tempos.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s